Thursday, April 06, 2006

Nem sempre há tempo para deixar fluir as ideias sobre o papel...

Tenho andado encandeada com o meu Sol. E foi ele quem me roubou as letras, as palavras, os verbos, os nomes e os pronomes que andavam à solta na minha cabeça. Mas que mal tem dar-lhes descanso, uma ou outra vez?

Bem sei que tenho andado distante do mundo de cá, mas também gosto de fugir e perder-me por outros lados. A minha desculpa é simples… há sempre algo que se impõe como prioritário… e depois, há ainda os contratempos como as pilhas da máquina fotográfica que se cansaram de estar encarceradas e se recusam a trabalhar, ou então, trabalhos que é necessário concluir e não deixam margem para estas liberdades… sei lá, tanta coisa… por vezes, são até as coisas mais insignificantes que me afastam destas páginas.

A verdade é que, para além dos meus comentadores mais atentos, também a culpa me vai lembrando de que é necessário actualizar este espaço, dar-lhe um pouco da minha cor e da minha vontade de viver o mundo.

Vou pedir para que chova e novas ideias se semeiem na minha cabeça…

3 comments:

Anonymous said...

Vê a vida como ela é. Não como tu queres que ela seja. Depois ignora o que não constroi tranquilidade nem paz. Aceita o que de bom ela tem. Vive sem precausos. Respira, respira muito e vais ver que tudo parece diferente.

António Pedro

vera said...

A vida é um turbilhão de
acontecimentos mas temos de aprender a escolher os melhores.
Todos os dias vejo pessoas a chegar e partir, encolhidas no seu proprio mundo,zangadas com a vida e a descarregar a revolta de sabe-se lá do quê , com a perspectiva de que nós , meros desconhecidos temos a obrigação de os confortar, compreender e ajudar...è de loucos...mas no fim do dia comprometo-me a mimar-me e a amar os meus...esqueço tudo. beijos

Olinda Gil said...

Sabes, muitas das vezes há tanta poesia nas nossas vidas, que não nos resta poesia para as letras. Não tem mal nenhum... Kiss